Espanto

Admiro a sensibilidade daquela mulher vegetal linguagem sutil tecida junto à fina flor sabedoria ancestral de infusões, banhos e chás observação meticulosa do amadurecimento, apodrecimento broto, pétala, rouquidão Me intrigo com a possibilidade da mulher beber uma árvore seiva amarga, sangue grosso, verde, puro e enorme me absurda imaginá-la conversando com as coníferas aprendendo a só ouvir silêncio por anos ao passo que, há séculos, elas esperam junto a ele por algum pequeno fenômeno retorcido Invejo a delicadeza de todo esse cuidado folhoso angulação luminosa necessária quantidade justa de água e expectativa constância do olhar destilado pouco a gotas A […]